Sunday, September 3, 2017

São 06:15.
Subi e desci as ruas familiares do Porto. Aquelas ruas que em tempos me acompanhaste. Não deixo o sentimento desvanecer, mesmo que a minha mente tente lutar contra o meu pensamento sobre ti. É difícil. Ouço o vento a tocar nas árvores, o céu a clarear, os carros da madrugada em andamento. Já tudo mudou. Já não sou a mesma, a minha vida deixou de ser a mesma. A tua inexistência tornou-se cada vez mais real e vi-me a querer esquecer-te para conseguir ser feliz. Teria sido muito mais simples se não tivesse vivido o meu primeiro amor, se tivesses sido apenas uma pessoa passageira, sem qualquer tipo de significado ou intensidade na minha vida. Acho que foste a pessoa mais especial da minha vida ou apercebi-me tarde da tua particularidade que me fez obcecar por ti. Foi tarde, no momento em que os meus sentimentos cortavam a pele, que descobri que conseguia chorar por não te ter ao meu lado. Encontrei-me perdida, sempre na expectativa de ter-te ao meu lado, desesperada por sentir os teus braços enlaçados nos meus, os teus lábios nos meus, os nossos pensamentos em perfeita sintonia. Estava completamente apaixonada. Percebo pela consequência do nosso fim que não podia sentir nada mais que um amor puro e belo e utópico. Casava-me contigo. Vivia o resto da minha vida contigo. Era esse o meu pensamento quando tu aparecias na minha mente. E desculpa. Desculpa por sentir que quando me disseste “Tu és a mulher da minha vida e eu quero casar contigo” que realmente eras o amor da minha vida. Desculpa por não conseguir esquecer o momento em que adormeceste nos meus braços embriagada, a chorar porque me amavas loucamente. Nesse dia o meu amor cresceu por ti com todas as dimensões e talvez outras, inimagináveis. E andava atrás de ti que nem uma louca. 
Louca. Será essa a ideia que têm de mim. Psicótica. Perdida por alguém que não vai voltar. Pelos vistos sou a única que ainda escreve textos de amor, depois de todo o sofrimento que me causaste. Devia odiar-te. Devia não querer ver-te, nunca mais. E a verdade é que tenho vindo a evitar esses momentos. Mas também, qual hipocrisia é a minha, tão simples como o facto de saber que não consigo ver-te sem estares perto de mim. Ainda estou a preparar-me para tal acontecimento. 
Agora são as gaivotas. Gritam tanto quanto o meu coração. Parece querer sair do meu corpo, deixar de me pertencer. Sinto quase um nojo de ser eu, quando me apercebo que sou eu dentro de mim e que corpo é este, quem sou eu. Sou apenas mais um corpo com a alma sufocada e cheia de sede pela liberdade. Cortaste-me a liberdade. Tiraste-me o amor, tiraste tudo o que me fazia feliz e agora, estás por aí, noutra cidade, feliz, com outras pessoas, com outros pensamentos. Todos eles fogem de mim. Já não existo para ti. Vivo para escrever-te palavras de amor, mas é um buraco negro que suga todas as minhas emoções, que negras que elas são em saber que tu não tens um único pensamento sobre a minha pessoa.Pensei em ti na Lomo quando encontrei as nossas fotografias. Os nossos beijos, os nossos olhares. Reconhecia o teu olhar em todo o lado. E que dor é olhar-te e ver que já não são os mesmos olhos. Já não existe amor no teu olhar, apenas um vazio negro e desesperante. Indiferença. Azul é o nosso amor que teve um fim. Não volta mais.
Escrevo, farta, farta de sentir. E vou deitar-me a querer odiar-te. Mas não vou conseguir e vou continuar a sufocar até ao dia em que te vais sentar à minha frente e dizer tudo o que tens a dizer. Todas as verdades, todos os sentimentos, o que ainda resta de nós, o que vai ser de nós…Já sei que nada. Não espero nada. Não espero voltar para ti. Não quero. Não queria querer. Mas sei que não quero. E mais uma vez, acabo a noite a pensar em ti quando sei que não vou surgir nem uma vez na tua cabeça.Odeio-te, odeio-te, odeio-te. E é apenas isso que quero deixar em mim neste momento.
Vou deitar-me. São 06:39. Patrick Watson acompanhou este texto. Se um dia leres isso, que não vais, lê ao som dele. Talvez consigas enquadrar-te na madrugada, mais uma, em que me deitei a pensar em ti.Os dias passam, as noites também e eu sonho pelo dia em que deixas de existir para mim. Não porque quero, mas amar-te é um murro na alma. Destrói-me a cada minuto que passa. Apesar de odiar-te, eu amo-te. E não, não estou louca.

Friday, August 11, 2017

Um dia vais lembrar-te da minha existência. Vais lembrar-te das tentativas falhadas de aproximação. Vais lembrar-te de todo o amor que dei, todas as palavras de afecto, todos os momentos em que o meu olhar não conseguiu desviar. Um dia vais perceber. 
Um dia espero que nunca seja tarde de mais. Espero que não me odeies para sempre. Espero que saibas que te conheço a mil. Mas mil nunca chega e o meu amor é falhado. 


Adeus, adeus, adeus.




blogger template by lovebird